Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/269385
Type: TESE
Title: "O portugues e uma alavanca para que eles possam desenvolver o ingles" : eventos de ensino-aprendizagem em uma sala de aula de ESL de uma "escola bilingue"
Author: Mello, Heloisa Augusta Brito de
Advisor: Schmitz, John Robert, 1935-
Abstract: Resumo: Tem-se observado que há uma permanente tendência em se tratar a relação L1- L2 na sala de aula bilíngüe do ponto de vista do monolingüismo.O reflexo imediato dessa tendência tem sido a exclusão, ou pelo menos a tentativa de exclusão, da L1 da sala de aula de L2 sem nenhuma outra alternativa. Neste estudo, de natureza etnográfica, busco compreender como se dá essa relação no contexto de uma escola de imersão em inglês que proporciona ensino fundamental e médio, com base no sistema educacional americano, para alunos de origem multiétnica, com acentuada predominância de brasileiros, residentes em Brasília. Para isso, acompanhei durante um ano as atividades de uma sala de aula de ESL que atende crianças de séries variadas em fase inicial de aquisição e desenvolvimento do inglês, com o objetivo de compreender quais são os padrões de uso do inglês e do português.nessa comunidade, como esses usos são percebidos e como o discurso é construído na sala de aula de ESL - como, quando e com que finalidades essas línguas são usadas. Dois tipos de análise foram feitas - uma macro e outra micro. No nível macro, analiso o discurso da e na escola segundo a perspectiva de toda a comunidade escolar diretores, professores, auxiliares, funcionários e pais de alunos - e de suas normas ¿ o modelo e tipo de programa de ensino, a política de línguas e a organização social da escola. No nível micro, analiso como o discurso é construído na sala de aula ¿ a distribuição e a escolha das línguas, os estilos de fala mais recorrentes,a distribuição dos turnos de fala e, principalmente,os padrões de alternância de línguas. Os resultados mostraram que, tanto no nível macro quanto no micro, as línguas mantêm entre si uma relação diglóssica, que, longe de ser harmoniosa, reflete a estrutura assimétrica das relações entre os grupos que se identificam com essas línguas e as representam, bem como a orientação monolingüística do modelo de ensino e da política de línguas da escola. O inglês se coloca como a língua da autoridade, do poder, das situações formais e instrucionais, enquanto o português é a língua da amizade, da informalidade,da transgressão à norma estabelecida. No âmbito da sala de aula, o estudo mostrou que as práticas discursivas incorporam três estilos de fala: o acadêmico, o conversacional e o alternado. O estilo . acadêmico caracteriza-se, sobretudo, pelo uso do inglês, o conversacional pelo uso do português, e o alternado pelo uso das duas línguas. Por meio do controle de turnos, a professora controla a forma do discurso, a escolha das línguas e a participação das crianças nas atividades. Dessa forma, a professora assegura que o inglês, a língua reconhecida como legítima para a instrução, seja usado na maior parte das interações que ocorrem na sala de aula. Também se observou, no nível micro, que a alternância de línguas assume importantes funções na sala de aula. Tanto as crianças quanto a professora recorrem à alternância de línguas para atingir seus objetivos comunicativos e instrucionais ¿ dar instruções, solicitar ou dar esclarecimentos, negociar a participação nas atividades, traduzir ou negociar o sentido de uma palavra ou expressão, conversar com o colega etc. Para as crianças, o português é o instrumento que faz a mediação entre suas experiências anteriores e aquelas que estão sendo adquiridas por meio da nova língua; para a professora, o português é um dos meios pelos quais ela oferece suporte aos alunos para que eles possam desenvolver suas potenciais habilidades no inglês. Esses resultados contrariam, portanto, a crença de que somente o uso da L2 é benéfico para os aprendizes de L2 e de que todo uso da L1 na sala de aula é prejudicial. Este estudo destaca, entre outras, as seguintes implicações para o processo de ensino-aprendizagem de L2 e para a educação bilíngüe: 1) o uso da L1 deve ser reconhecido como importante em qualquer processo de educação bilíngüe, particularmente nos seus primeiros anos; 2) nesse processo, a alternância de línguas deve ser vista como um recurso comunicativo/instrucional valioso, por ajudar os alunos a fazer a mediação entre suas experiências na L1 e aquelas que estão sendo adquiridas na L2; 3) a importância do reconhecimento de que o conceito de educação bilíngüe implica a formação e o desenvolvimento lingüístico em duas línguas e não apenas em uma

Abstract: There has been a permanent tendency to treat L1-L2 relationship in the bilingual classroom from a monolingual point of view. The immediate response to such a tendency has been the exclusion or at least an attempt to exclude the L1 from the L2 classroom without any alternatives. This ethnographie study seeks to shed some light on how this relationship is established in the context of an English immersion school that provides an elementary and secondary program in Brasilia compatible with the American educational system for a multiethnic student population with a high percentage of Brazilian students. In order to understand this relationship, I have carried out a one-year observation in an ESL classroom that assists children from difterent grades who are in their early years of English acquisition and development. My aim was to understand language use patterns of English and Portuguese in this community, how community members perceive the use of these languages and how discourse is constructed in the ESL classroom - how, when and for what purposes these languages are used. Two types of analysis were developed - a macro and a micro one. In the macro level I analyze the discourse that emerges from and at school according to the school community's point of view as a whole - directors, teachers, aides, general staft and parents - and its rules - educational model and program type, language policy and social organization. In the micro level I analyze how discourse is constructed in the classroom - language choice and distribution, speech styles, turn-taking distribution and codeswitching patterns. In both macro and micro levels, results show that there is a diglossic relationchip between languages that, far from being harmonious, reflect the asymmetric structure of relations between the groups that identify themselves with and represent these languages. English is seen as the language of authority, power, of formal and instruetional situations while Portuguese is the language of friendship, informality and of rule breaking. In the classroom level, the study suggests that discursive practices are distributed according to three speech styles: academic, conversational and alternate style. The academic language style is characterized by the use of English; the conversational one is characterized by the use of Portuguese and the alternate one by the use of both languages. Through turn-taking controlling, the teacher controls discourse form, language choice and children participation in the activities. By doing that, she ensures that English - the language that is recognized as the legitimate language of instruction - is used in most classroom interactions. It was also observed in the micro level that codeswitching has many functions in the classroom. The children as well as the teacher codeswitch in order to achieve their communicative and instructional goals - give instructions, ask or give explanation, negotiate participation in the activities, translate or negotiate the meaning of a word or expression, peer talk etc. The children use portuguese as an instrument of mediation between their former experiences and the ones they are acquiring through the new language and the teacher uses portuguese as a means of providing scaffolding for students so that they can develop their potential abilities in English. These results, therefore, contradict the belief that only L2 use is good and that all L1 use in the classroom is harmful to L2 learners. This study has some implications for L2 teaching-Iearning process as well as to bilingual education: 1) L1 use should be recognized as an important tool in any bilingual education process, especially in its early years; 2) codeswitching should be seen as a valuable communicative/instructional resource in this process as it helps students to bridge their L1 experiences and the ones that are being acquired in L2; 3) it is important to recognize that bilingual education concept implies education and language development in two languages instead of only one
Subject: Educação bilingue
Bilinguismo
Aquisição da segunda linguagem
Linguística aplicada
Sociolinguística
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2002
Appears in Collections:IEL - Dissertação e Tese

Files in This Item:
File SizeFormat 
Mello_HeloisaAugustaBritode_D.pdf12.43 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.