Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/269348
Type: TESE
Title: Falsos cognatos em portugues e espanhol
Author: Leiva, Myriam Jeannette Serey
Advisor: Henriques, Eunice Ribeiro, 1945-
Abstract: Resumo: Neste trabalho, apresentamos uma definição sucinta de falsos cognatos, discorremos sobre certas diferenças lexicais entre o português e o espanhol e agrupamos os falsos cognatos em quatro classes distintas, a partir da etimologia: 1. Duas formações baseadÇ3s em duas palavras latinas diferentes, porém com radicais idênticos: vaso/vaso. 2. Uma única palavra de origem: as duas línguas conservam o significado original, e ambas (ou uma delas) acrescenta(m) um outro si9!1ificado: exquisito/esquisito. 3. Uma única palavra de origem com dois ou mais significados que são conservados por uma das duas línguas. A outra conserva apenas um dos significados originais (e pode até criar, mais tarde, um outro termo para suprir a falta do(s) outro(s): sugestión/sugestão. Cf. sugerencia. 4. Duas palavras semelhantes (ou idênticas), porém de origem e significado diferentes: rato/rato. Compilamos, ao longo de mais ou menos dois anos, uma lista de 301 falsos cognatos, que se constituem em formas idênticas ou muito semelhantes nas duas línguas, porém, com sentido diverso. Na parte aplicada deste trabalho, coletamos dados, em português e espanhol, com três sujeitos, falantes nativos de espanhol e aprendizes de português como segunda língua, a fim de verificar a ocorrência de falsos cognatos na comunicação do dia-a-dia. Isolamos todos esses casos, analisando-os dentro do contexto em que apareciam. Esses "falsos amigos" foram tratados como casos de interferência tanto da primeira língua na segunda, quanto da segunda na primeira. Verificamos que a frequência de falsos cognatos, da L 1 na L2, é maior em falantes menos proficientes (83), com tendência a diminuir, de acordo com a competência lingüística do falante (82 e 81). E, que sua freqüência, da L2 na L 1, é zero, em falantes menos proficientes (83), com um aumento no nível intermediário (82) e uma tendência a diminuir no nível mais avançado (81). A partir daí, concluímos ser necessário dedicar um tempo maior, em aprendizagem formal, a esses falsos cognatos, muito usados na fala, a fim de resolver certos problemas, na conversação, surgidos via interferência, de uma língua na outra, a nível semântico

Abstract: Not informed.
Subject: Lingua portuguesa - Erros
Lingua espanhola - Erros
Aquisição da segunda linguagem
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 1994
Appears in Collections:IEL - Dissertação e Tese

Files in This Item:
File SizeFormat 
Leiva_MyriamJeannetteSerey_M.pdf2.69 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.