Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/269149
Type: TESE
Title: As orações de tempo e condição na fala da criança : uma perspectiva socio-funcionalista
Author: Rodrigues, Angelica Terezinha Carmo
Advisor: Braga, Maria Luiza, 1943-
Abstract: Resumo: Neste trabalho, investigo as orações hipotáticas de tempo e condição presentes na fala de crianças em fase de aquisição de primeira língua. Na literatura consultada, há um consenso de que as orações temporais emergem na fala da criança primeiro do que as condicionais. Como sugere Slobin (1975), algumas noções, por serem mais salientes psicologicamente do que outras, são primeiramente desenvolvidas na infância. Os dados, no entanto, permitem afirmar apenas que as primeiras ocorrem em maior número do que as segundas. A justificativa, nesse caso, remete tanto a Givón quanto a Heine et alii. Tomando por base os pressupostos de Givón (1995), pode se dizer que as temporais representam estruturas não-marcadas, uma vez que são menos freqüentes. Nesse caso, é provável que tendam a ser, ao contrário das condicionais, menos complexas. Uma outra hipótese remete ao continuum de categorias cognitivas proposto por Heine et alii (1991), que defende que entidades mais concretas, como as que se referem a TEMPO, podem ser recrutadas para expressar noções mais abstratas, como CONDIÇÃO. Mostro, entre outros aspectos que, em algumas orações, é possível identificar uma superposição de significados temporais e condicionais, e que, em outras, essa possibilidade é, senão bloqueada, pelo menos, mais difícil. A correlação modo-temporal e o grau de hipoteticidade explicam, parcialmente, a intercambialidade entre noções temporais e condicionais. Para aferir o grau de integração dessas orações, utilizei as variáveis correlação modo-temporal, explicitude, correferencialidade e formas de expressão dos sujeitos. Em relação ao primeiro parâmetro, os resultados empíricos sugerem que as construções de tempo, por apresentarem tempos e modos idênticos tanto na núcleo quanto na temporal, estão mais integradas, e, portanto, mais gramaticalizadas. No que concerne aos outros parâmetros, parece haver uma inversão nos resultados. Casos de anáfora zero, que indicam um grau forte de entrelaçamento, foram registrados mais nas orações condicionais do que nas temporais. Todavia, em ambas estruturas, os sujeitos apresentaram os traços [- correferencialidade] e [+ explicitude], que indicam relações sintáticas mais frouxas

Abstract: This study investigates the hypotactic temporal and conditional clausespresent in the speech pattems of children who are in the language acquisition phase. According to the literature researched there is consensus that temporal clauses emerge in children speech patterns before conditional clauses. Like Slobin (1975) suggests, some notions, being more visible than others frem a psychological perspective, are the first to be developed in childhood. In my data, however, I verified to a certain extent that the first occur in greater number than the latter. In this case, the justification points to the hypotheses of both Givón and Heine et aloTaking Givón's pressupositions as a basis, I can say that the temporal clauses are unmarked structures, once they are less frequent. In this case, it is possible that they tend to be, contrary to condicional clauses,less complex. Another hypotheses alludes to the continuum of cognitive categories proposed by Heine et al (1991), which defends that concrete entities are recruited to express more abstract notions, such as condition. I emphasize, among other aspects, that in some sentences it is possible to identify a superposition of temporal and conditional meanings and that, in other sentences, this possibility is, if not blocked, at least less apparent. The modus-temporal correlation and hypothetical explanation ratio partially explain the interchangeability of temporal and conditional notions. In order to assess the integration degree of these sentences I used the sharing of tenses and moods, co-reference and expressions forros of subject variables. As regards the first parameter, empiric outcomes suggest that temporal constructions, because identical tenses and modes are presented in both the nucleus and the temporal clause, are more integrated and therefore characterized by more marked grammaticalization. Conceming the other parameters there seems to be an inversion of results. Cases of total absence of anaphora, which indicate a strong degree of interchange, were found more frequently in conditional than in temporal clauses. However, in both structures the subjects presented signs that indicate looser syntactic relationships [- co-reference] e [+ explicitness]
Subject: Língua portuguesa - Sintaxe
Aquisição de linguagem
Sociolinguística
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2001
Appears in Collections:IEL - Dissertação e Tese

Files in This Item:
File SizeFormat 
Rodrigues_AngelicaTerezinhaCarmo_M.pdf3.64 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.