Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/269041
Type: TESE
Title: Resolvendo a anafora conceitual = um olhar para alem da relação antecedente/anaforico
Title Alternative: Conceptual anaphora resolution : a view beyond the antecedent-anaphor relation
Author: Godoy, Mahayana Cristina, 1985-
Advisor: Françozo, Edson, 1951-
Abstract: Resumo: A resolução da anáfora conceitual traz questões interessantes para a pesquisa psicolingüística, pois abre a possibilidade de investigar como um pronome plural pode ser resolvido a partir de uma expressão antecedente singular, como em "O batalhão foi vacinado. Eles foram para a África". De acordo com Landman (1989), grupos como "batalhão" podem ter uma denotação plural quando recebem uma predicação distributiva (e.g., foi vacinado), mas também podem ter uma denotação singular quando são predicados coletivamente (e.g., foi reorganizado). Em outras palavras, enquanto o predicado seleciona a pluralidade de membros que compõem o batalhão no primeiro caso, no segundo, o mesmo batalhão é predicado como instituição, i.e., como uma entidade singular. Com base nessas considerações, é razoável assumir que a leitura coletiva ou distributiva determinada pelo predicado pode influenciar a resolução pronominal, desde que se considere a saturação anafórica como produto de expectativas geradas pelos leitores acerca de quais referentes têm chances de serem mencionados em partes subseqüentes do texto (Kehler et al., 2007). Para testar esta hipótese, elaboramos dois experimentos. No primeiro deles, investigamos se as leituras coletiva ou distributiva de expressões como "pelotão" poderiam criar expectativas sobre como os sujeitos dariam continuações para sentenças na voz passiva. Os participantes deveriam completar sentenças como "Para viajar ao exterior, o batalhão foi vacinado" apontando seu agente. Os resultados indicam que a continuação para predicados coletivos era preferencialmente um agente singular, enquanto para os distributivos o agente dado tendia a ser plural. Em um segundo experimento, os sujeitos liam sentenças com anáforas conceituais cujo antecedente era predicado coletiva ou distributivamente. O tempo de leitura do pronome nessas duas situações foi comparado, apontando para um tempo significativamente maior quando o pronome seguia uma predicação coletiva. Ambos os resultados, portanto, confirmam nossas hipóteses, indicando que os predicados de termos de grupo podem gerar expectativas que influenciam a resolução da anáfora conceitual

Abstract: Conceptual anaphora resolution brings interesting questions to research in psycholinguistics, for it provides the possibility of investigating how a plural pronoun can be solved from a singular antecedent, as one can see in "The army division was vaccinated. They went to Africa". According to Landman (1989), groups such as "the army division" can have a plural denotation when it receives a distributive predicate (e.g., was vaccinated), but it can also have a singular denotation when its predicate is a collective one (e.g., was reorganized). In other words, while the predicate selects the plurality of members that compose the army division in the first case, in the second one the same army division is predicated as an institution, i.e., as a singular entity. From these considerations, it is reasonable to assume that collective or distributive readings determined by the predicate can influence pronoun resolution, if one consider anaphora resolution as a product of the expectations generated by the readers about which referents are more likely to be mentioned in subsequent text (Kehler et al., 2007). In order to test this hypothesis, we ran two experiments. In the first one, we investigated whether collective or distributive readings of expressions similar to "the army division" would create expectations on how subjects provide continuations for passive sentences. The participants should complete sentences such as "In order to go abroad, the army division was vaccinated" with their agents. The result indicates that the continuation given to collective predicates was preferably a singular agent, while the continuations provided to distributive predicates tended to be plural agents. In a second experiment, subjects read sentences with conceptual anaphoras whose antecedent was predicated in a collective or distributive way. The pronoun reading time in these two situations was compared, showing a significant longer time when the pronoun followed collective predication. Therefore, both results corroborate our hypothesis, indicating that the way groups are predicated can generate expectations that influence conceptual anaphora resolution
Subject: Anafora conceitual
Anafora pronominal
Predicação coletiva e distributiva
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2010
Appears in Collections:IEL - Dissertação e Tese

Files in This Item:
File SizeFormat 
Godoy_MahayanaCristina_M.pdf576.59 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.