Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/269011
Type: TESE
Title: A alternancia de [ei]~[e] no portugues falado na cidade de Caxias, MA
Author: Araujo, Maria Francisca Ribeiro de
Advisor: Abaurre, Maria Bernadete Marques, 1946-
Abstract: Resumo: Este estudo discute a monotongação do ditongo [eI] para [e] no português falado na cidade de Caxias (MA), à luz da teoria da variação (cf Labov, 1972, 1994; Sankoff, G., 1982; Sankoff, D., 1988; Tarallo, 1994a; Chambers, 1995; Mollica, 1998; Callou et alii, 1998 e outros) e das propostas recentes de interpretação fonológica dos ditongos/monotongos, segundo Bisol (1989, 1994) e Schane (1995). Procuramos neste trabalho responder às seguintes perguntas: (1) que fatores, lingüísticos e extralingüísticos, se correlacionam com a aplicação da regra de monotongação no dialeto em pauta? (2) como o fenômeno vem se implementando: via difusão lexical ou de modo regular, no espírito neogramático? e (3) qual modelo fonológico melhor daria conta do fenômeno em estudo? De acordo com Labov (1981, 1994), a monotongação é um fenômeno de mudança sonora que se implementa segundo regras Neogramáticas, isto é, que está associado a fatores estritamente fonéticos. Defende a hipótese de que a mudança afeta o segmento da palavra. Para Oliveira (1991, 1992, 1995, 1997), por outro lado, todas as mudanças sonoras se implementam via difusão lexical, afetando o item lexical e não parte dele. Esta pesquisa demonstra que, no tocante à monotongação do ditongo [eI] no dialeto de Caxias, não é possível decidir quanto à implementação desse fenômeno, pois, ao mesmo tempo, apresenta características que sustentam ambas as propostas. Outros trabalhos que examinaram o processo, tratando especificamente da descrição do mesmo (Paiva, 1996; Mollica, 1998), têm o considerado como motivado especificamente por fatores estruturais, sem exibir variação diastrática. O presente trabalho mostra que não são necessariamente os fatores estruturais os principais determinadores da aplicação da regra de apagamento do glide, fatores sociais e lexicais também são importantes na explicação da monotongação do ditongo [eI]. Mostra ainda que a regra apresenta diferenciação diastrática, podendo haver restrições quanto à modalidade padrão VS.não padrão. o modelo fonológico que dê conta do fenômeno em pauta ainda é muito obscuro. Notamos que a interpretação que Bisol (1989, 1994) faz dos ditongos/monotongos consegue dar conta da redução do ditongo em foco diante de palatais, mas é questionável a explicação dada para fenômeno diante de tepe ou vibrante simples. Com respeito à monotongação do ditongo [el] antes da vogal [a] (p.ex. em meia), nada é mencionado pela proposta. A Fonologia de Partículas, conforme Schane (1995), não deixa claro se o fenômeno é per si motivado pela duração silábica ou pelo segmento seguinte

Abstract: This study discusses the monophthongization of the diphthong [eI] to [e] in the "I portuguese language spoken in Caxias, a city in Maranhão, in the light of the Variation Theory (cf Labov, 1972, 1994; Sankoff, G., 1982; Sankoff, D., 1988; Tarallo, 1994a; Chambers, 1995; Mollica, 1998; CalIou et alii, 1998), and of the recent proposals of phonological interpretation of the monophthongization made by Bisol (1989, 1994) and Schane (1995). We seek to answer the folIowing questions in this work: (1) which factors factors - linguistic and extralinguistic- are correlated with the application of the monophthongization mIe? (2) how is the phenomenon being implemented: through lexical diffusion or through a regular way, in the neogrammatical spirit?, and (3) which phonological model would best treat that phenomenon? In agreement with Labov (1981, 1994), the monophthongization is a phenomenon of sound change that is implemented according to Neogrammatical mIes, that is, it is strictly associated with phonetic factors; he defends the hypothesis that the change affects the segment of the word. Oliveira (1991, 1992, 1995, 1997), on the other hand, states that alI sound changes are implemented through lexical diffusion, affecting the lexical item, not just part of it. Conceming the implementation the diphthong [eI] monophthongization in the Caxias dialect, it is not possible to decide since it has characteristics that simultaneously sustain both proposals. Other works that examine the process, which specificalIy treat the description of the phenomenon (Paiva, 1996; Mollica, 1998), state that it is specifically motivated by structural factors, without any diastract variation. The present work shows that structural factors aren't the main determiners of the application of the glide deletion mIe; social and lexical factors are also important to the explanation of the monophthongization of the diphthong [eI]. It also shows that the mIe presents diastract differentiation, and it many have restrictions conceming the standard modality vs. the non-standarde modality The phonological model that accounts for the phenomenon it is still very obscure. We noticed that Bisol (1989, 1994)'s interpretation of the monophthongization accounts for the reduction of the diphthong in focus before palatal, but the explanation given to phenomenon before tap or simple vibrant is questionable. Regarding the monophthongization of the diphthong [eI] before the vowel [a] (e.g. meia), nothing is mentioned by the proposal. The Particle Phonology, according to Schane (1995), doesn't make clear if the phenomenon is per si determined by the syllabic duration or by the following segment
Subject: Mudanças linguísticas
Língua portuguesa - Fonologia
Sociolinguística
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 1999
Appears in Collections:IEL - Dissertação e Tese

Files in This Item:
File SizeFormat 
Araujo_MariaFranciscaRibeirode_M.pdf3.75 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.