Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/268986
Type: TESE DIGITAL
Title: Do oral para o escrito : a narratividade em nheengatu no Alto Rio Negro - AM
Title Alternative: From oral to written : storytelling in nheengatu in Upper Rio Negro - Amazonas State
Author: Veiga, Patrícia Regina Vannetti, 1983-
Advisor: D'Angelis, Wilmar, 1957-
D'Angelis, Wilmar da Rocha
Abstract: Resumo: Esta pesquisa investiga os processos de escrita das narrativas orais pelos professores indígenas baniwas, falantes de nheengatu na região do Baixo Rio Içana, Alto Rio Negro/ AM. Contextualizamos o cenário com os apontamentos históricos sobre a região amazônica e sobre a língua geral, para depois entrarmos na contextualização teórica sobre as abordagens do oral e do escrito; tanto as que abordam hierarquicamente essas diferentes modalidades da linguagem e da comunicação, quanto aquelas que encaram essa retextualização como um processo em que as formas locais e as especificidades culturais criam hibridismos, transformando a escrita pelas práticas social e comunicativa tradicionais dos grupos. Para analisarmos essas transformações textuais nas narrativas e na narratividade da tradição oral, na língua indígena materna e no português, usamos a metodologia etnográfica e participativa, em que os atores indígenas narraram oralmente e depois escreveram as narrativas, portanto, o corpus está contextualizado na linguagem em uso e em funcionamento comunicativo. Os recursos da linguagem estão relacionados aos modos de expressão, conhecimento e organização das concepções indígenas transmitidas pelas narrativas, sendo assim, a pesquisa contou com uma fundamentação teórica de campos interdisciplinares, como da Antropologia, Linguística e Educação, principalmente com os estudos da Análise da Conversação e da Linguística Antropológica. A partir da confrontação entre a linguagem empregada no oral e na escrita, em ambas as línguas, percebemos que os recursos da oralidade ¿ por meio dos recursos gestuais, prosódicos, poéticas paralelísticas, entre outros -, que contribuem para a articulação do pensamento, a efetividade da tradição e a contextualização cultural, estruturalmente foram alteradas com a escrita, que prevê uma eliminação das repetições, uma ordenação dos fatos e acontecimentos narrativos e uma neutralidade e universalidade do conhecimento. Porém, as formas orais foram inseridas na escrita por meio de ênfases, onomatopeias, uso dos marcadores conversacionais, entre outros, mantendo a expressividade comunicativa e a construção de sentidos dos textos narrativos, a partir de recursos interacionais e semióticos. Os usos de desenhos compostos junto com o texto alfabético criam referencialidades que dialogam com a complexa semântica dos grafismos baniwas e da articulação da linguagem oral. Portanto, a retextualização é resultado de hibridismos, formando um tipo de escrita característica da tradição oral indígena. Essas possibilidades sincréticas se apresentam mais possíveis na escrita pela língua indígena materna do que na escrita em português; ao compararmos as transformações na forma de organização dos textos e dos conhecimentos expressos em ambas as línguas, percebemos que as influencias dos padrões ocidentais foram mais significativas no português, presentes inclusive na narração oral nesta língua. Por isso a importância em fortalecer os espaços de uso das línguas indígenas e da escrita relacionados aos modos próprios de comunicação e não submetidos aos modelos hegemônicos da sociedade nacional

Abstract: This research examines the writing process of oral narratives by indigenous teachers Baniwas, Nheengatu speakers in the Lower Içana River region, Alto Rio Negro/AM. We contextualize the scenario with historical notes on the Amazon and on the Amazonic General Language (LGA), and then we discuss the theoretical context on the approaches about the oral and the written forms; both those ones that hierarchically address to different modalities of language and communication, as those ones that understand the retextualization as a process in which local forms and cultural specificities create hybrids, transforming the writing by social and communicative practice that are traditional of the groups. To analyze these textual changes in the narratives and in the storytelling of oral tradition in their native indigenous language and in Portuguese, we use an ethnographic and participatory methodology, in which indigenous actors narrated orally and then wrote the narratives, so the corpus is contextualized in language use and in communicative functioning. The language resources are related to the expression forms, knowledge and organization of indigenous conceptions conveyed through the narratives. Thus, the research was a theoretical foundation of interdisciplinary fields such as Anthropology, Linguistic, and education, especially with studies of Conversation Analysis and Anthropological Linguistics. From the confrontation between the language used orally and in the written form, in both languages, we realize that the resources of the orality - through gestural features, prosody, parallelistic poetic, among others - that contribute to the articulation of the thought, effectiveness of tradition and cultural contextualization, were structurally changed by the writing, which promotes elimination of repetitions, facts and narrative events organization and a neutrality and universality of the knowledge. However, the oral forms were inserted in the writing form through emphases, onomatopoeia, use of conversational markers, among others, maintaining the communicative expressiveness and the narrative texts meanings construction from interaction and semiotic resources. The use of compounds drawings along with the alphabetic text create referentialities that dialogue with the complex semantics of Baniwa graphics and with the articulation of oral language. So, the retextualization is the result of hybrids, forming a kind of writing that is characteristic of indigenous oral tradition. These syncretic possibilities present themselves as possible in writing on maternal indigenous language than on writing Portuguese; when we compare the changes in the form of organizing texts and the knowledge expressed in both languages, we realize that the influences of Western standards were more significant in Portuguese, present in the oral narration in this language. Hence, the importance of strengthening the spaces of the use of the indigenous languages and the writing related to their own communication forms, and not subjected to the hegemonic models of the national society
Subject: Índios da América do Sul - Brasil - Alto Rio Negro, Região (AM)
Tradição oral
Língua nheêngatú
Educação indígena
Índios - Escrita
Antropolinguística
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2015
Appears in Collections:IEL - Dissertação e Tese

Files in This Item:
File SizeFormat 
Veiga_PatriciaReginaVannetti_M.pdf2.95 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.