Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/257739
Type: DISSERTAÇÃO
Degree Level: Mestrado
Title: Avaliação do conforto termico : uma experiencia na industria da confecção
Author: Gouvea, Tatiana Chrispim
Advisor: Labaki, Lucila Chebel, 1943-
Abstract: Resumo: No Brasil, as informações técnicas sobre o conforto térmico são escassas e como não dispomos de normas sobre esse assunto as avaliações têm que ser baseadas em normas e procedimentos desenvolvidos em outros países. Nesses, a situação térmica ambiental, vestimenta e suscetibilidade às variáveis ambientais podem ser diferentes das de nosso país. O objetivo principal deste trabalho é levantar subsídios que colaborem para a análise do modelo do Voto Médio Estimado (VME) da norma ISO 7730 (1994), para avaliação de conforto térmico em ambientes de trabalho brasileiros. A indústria de confecção da cidade de Amparo/SP foi selecionada como objeto de estudo. Foram coletadas, através de um questionário, informações sobre a sensação térmica, vestimenta e atividade dos trabalhadores, enquanto media-se a velocidade do ar e as temperaturas de bulbo seco, bulbo úmido e de globo. Com os dados coletados, foi possível, utilizando o software Conforto 2.03, estimar o isolamento das vestimentas, as taxas de metabolismo e calcular a temperatura radiante média, a umidade relativa e o VME que foi então comparado com a sensação térmica apurada nos questionários. Na análise comparativa entre os votos de sensação térmica e o VME, houve uma concordância mediana entre os resultados. A partir dos resultados obtidos da análise probit, onde se determinaram as probabilidades de ocorrência de calor, conforto e frio, foi possível identificar a temperatura de neutralidade, definida como aquela correspondente à maior porcentagem de satisfeitos. A temperatura operativa para a qual ocorreu o máximo percentual de conforto, ou seja, temperatura de neutralidade, foi de 22,5ºC (correspondente a aproximadamente 84% de pessoas satisfeitas). Utilizando-se os valores médios das variáveis pessoais (Icl = 0,55 clo e M = 1,40 met) e variáveis ambientais (Var = 0,09 m/s, UR = 53,3%) da população, calculou-se também a temperatura de neutralidade pelo modelo do VME/PEI. Assim, obteve-se por esse modelo uma temperatura de neutralidade de 22,8ºC, correspondente a 5% de insatisfeitos, enquanto que, através da análise probit, essa temperatura ficou próxima a 22,5ºC e a porcentagem de insatisfeitos foi da ordem de 16 %

Abstract: In Brazil, there is little technical information about thermal comfort. There are not standards about the theme, and the evaluations are based on rules and procedures developed in foreign countries. In these countries, the thermal environment situation, garments and susceptibility to environmental variable are often different from those in our country. The main objective of this work is to create subsidies for an analysis of Predicted Mean Vote (PMV) from ISO 7730 (1994), for thermal comfort evaluation in Brazilian workplaces. The clothing industry in the city of Amparo, São Paulo State, was chosen to the study. A survey among the workers was carried out through questionnaires, collecting information about thermal sensation, garments and worker¿s activities. Dry and wet temperatures, globe temperatures and air speed were also measured, simultaneously to the questionnaires. The software Conforto 2.03 was used to estimate thermal resistance of the clothes, metabolic rates, mean radiant temperature, relative humidity and the correspondent PMV for the set of environmental and personal variables. Calculated values of PMV were compared with the votes for thermal sensation, and a median concordance of results was verified. A probit analysis was also performed, where the probability of occurrence of heat, comfort and cold, was determined, which allowed to identify the temperature of neutrality, defined as the one corresponding to the highest percentage of satisfied people. The operative temperature where the maximum comfort occurred, that is, the temperature of neutrality, was 22.5ºC (corresponding to nearly 84% satisfied people). By using the average values of personal variables (lcl=0,55 clo e M=1,40met) and environmental variables of population (Vair=0,09m/s, RH=53%), it was calculated also the temperature of neutrality through the PMV/PPD model. In this case, the temperature of neutrality was 22.8ºC, corresponding to 5% dissatisfied people. The probit analysis showed nearly 22,5ºC for this temperature, corresponding to 16% dissatisfied.
Subject: Conforto térmico
Conforto térmico - Avaliação
Conforto térmico - Índices
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2004
Appears in Collections:FEC - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Gouvea_TatianaChrispim_M.pdf2.49 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.