Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/257052
Type: TESE
Degree Level: Doutorado
Title: Complexidade e agricultura : organização e analise ergonomica do trabalho na agricultura organica
Title Alternative: Complexity and agriculture : organization and work ergonomics analysis on the organic agriculture
Author: Gemma, Sandra Francisca Bezerra, 1964-
Advisor: Tereso, Mauro José Andrade, 1959-
Abstract: Resumo: A agricultura orgânica tem sido apontada como uma forma de cultivo sustentável do ponto de vista ecológico, econômico e social. No entanto, não se encontram pesquisas que tenham por objetivo discutir a sustentabilidade do ¿homem trabalhador¿ dentro deste sistema; ou seja, não há um corpo de conhecimentos consolidado sobre este tipo de atividade, assim como não existem indicadores, que nos permitam avaliar os impactos que este trabalho pode ter sobre a saúde e o bem estar das pessoas, embora a exclusão da manipulação de biocidas tóxicos já constitua um grande avanço. Nesta pesquisa investiga-se, através da Análise Ergonômica do Trabalho e da Teoria da Complexidade, as características do trabalho humano na agricultura orgânica, e em particular do trabalho dos gestores, focando nos aspectos da organização do trabalho e da tecnologia utilizada, buscando ampliar a compreensão das atividades desenvolvidas, suas dificuldades e estratégias de superação. O gestor da produção orgânica é geralmente administrador e executor do trabalho, assumindo todas as funções administrativas de planejamento, organização, direção e controle de todas as áreas: produção, manutenção, finanças, recursos humanos e comércio, bem como a responsabilidade pelas questões ligadas à certificação, ao reflorestamento e à conservação do solo e da água. Ele necessita ainda pensar a unidade de produção de forma integrada e sistêmica, entendendo-a e tratando-a como um ser vivo, observando e identificando os elementos que o auxiliem na tomada de decisões para enfrentar as múltiplas dificuldades, em um ambiente onde não se dispõe de tecnologia adequada, com poucos recursos financeiros, e sem assessoria técnica. As dificuldades relatadas pelos agricultores são de natureza bastante variada. Vê-se desde aquelas relacionadas com exigências predominantemente físicas, cognitivas e afetivas do trabalho, até aquelas relacionadas mais diretamente com a falta de recursos tecnológicos, organizacionais, materiais, financeiros e humanos. Pode-se concluir que a hipótese inicialmente formulada é verdadeira, ou seja, que o trabalho na agricultura orgânica é complexo, pois incorpora os preceitos ecológicos, econômicos e sociais de sustentabilidade, que podem ser contraditórios entre si. Estes preceitos trazem determinantes específicos de natureza bastante variada que geram contradições e incertezas para o trabalho do agricultor, principalmente para o do gestor da produção. Esta complexidade do trabalho se relaciona com a necessidade de integrar múltiplas dimensões, demandando do gestor o desenvolvimento e a integração de variados saberes a fim de criar uma organização do trabalho dinâmica, como aquela descrita por Edgar Morin, que precisa ser freqüentemente reconstituída devido ao grande número de interações e de relações complementares e antagonistas entre ordem e desordem . Muitas pesquisas ainda precisam ser feitas, especialmente sobre as questões técnico-agronômicas e de saúde e conforto, assim como aquelas relacionadas com a comercialização, certificação e acesso a crédito. Será preciso ainda desenvolver políticas públicas que favoreçam a assistência e suporte técnico adequados. Somente a integração destes vários esforços poderá contribuir para o desenvolvimento deste setor, não somente em termos de produtividade e qualidade, mas também de melhorias para o trabalho e a qualidade de vida dos agricultores

Abstract: The organic agriculture has been indicated as a form of sustainable cultivation under the ecological, economical and social perspectives. However, researches addressing the sustainability of the ¿worker¿ within this system are not available; this means that there is not a consolidated knowledge package about this type of activity, as well as there are no indicators to allow us to evaluate the impact of such work on people¿s health and well-being, although the exclusion of toxic biocides on handling operations is already considered a big step ahead. In this research, it is investigated through the Ergonomic Analysis of the Work method and the Theory of Complexity, the human work characteristics at the organic agriculture, in particular the work of the managers, focusing the work organization aspects and the technology used, aiming to amplify the comprehension of the performed activities, the difficulties found and the overcoming strategies. The organic production manager is usually not only the administrator but also the executor of the job, assuming all administrative functions with regards to planning, organization, management and control in all areas like production, maintenance, finance, human resources and sales, as well as systems certification, reforesting and water and soil preservation . He still needs to think about the Production Unit in an integrated and systemic way, building knowledge through a very complex approach, understanding it and treating it like a live system, watching and identifying the elements which can help him on decisions making, to face multiple difficulties, in an environment where a suitable technology and technical support are not available, with few financial resources. The difficulties reported by agriculture workers have many different natures, varying from those related mainly to physical, cognitive and affective work demands, to those directly connected to lack of technological, organizational, material, financial and human resources. It is feasible to infer that the originally formulated hypothesis is valid, i.e., that the organic agriculture work is complex, as it incorporates the ecological, economical and social sustainability principles, which may be contradictory among themselves. These sustainability principles carry specific determinants, with several different aspects which bring contradictions and uncertainties to the agriculture worker job, mainly to the production manager. This work complexity is related to the need to integrate multiple dimensions, demanding the manager to develop and integrate diverse knowledge, in order to create a dynamic work organization, as the one described by Edgar Morin, which needs to be frequently remodeled due to the large number of interactions and complementary and opposed relations between order and disorder. Many researches must still be done, mainly about the technical-agronomic and health and comfort questions, as well as those related to sales, certification and credit access. It will be still necessary to develop public policies, to provide the require technical and assistance support. Just the integration of these several efforts can collaborate to the development of this segment, not only in terms of quality and productivity, but also to improve agriculture workers¿ job and quality of life
Subject: Agricultura orgânica
Teoria do conhecimento
Ergonomia
Language: Português
Editor: [s.n.]
Citation: GEMMA, Sandra Francisca Bezerra. Complexidade e agricultura: organização e analise ergonomica do trabalho na agricultura organica. 2008. 280p. Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Engenharia Agricola, Campinas, SP. Disponível em: <http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/257052>. Acesso em: 10 ago. 2018.
Date Issue: 2008
Appears in Collections:FEAGRI - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Gemma_SandraFranciscaBezerra_D.pdf4.05 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.