Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/254136
Type: TESE
Title: Conflitos entre alunos de 11 e 12 anos : causas, estratégias e finalizações
Title Alternative: Conflicts between students of 11 and 12 years old : causes, strategies and outcomes
Author: Marques, Carolina de Aragão Escher, 1979-
Advisor: Vinha, Telma Pileggi, 1968-
Abstract: Resumo: Fundamentado na teoria piagetiana, este trabalho se constitui de um estudo qualitativo e quantitativo que tem como objetivos identificar as causas, as estratégias empregadas e as finalizações dos conflitos vividos entre os alunos de 11 e 12 anos, bem como investigar diferenças nas formas como esses adolescentes resolvem os conflitos vividos e como julgam solucioná-los. Tem, também, por objetivo comparar essas mesmas variáveis com os alunos de 8 e 9 anos, participantes de um estudo anterior análogo. A amostra foi constituída por 62 alunos do sexto ano do Ensino Fundamental II de duas escolas públicas do interior paulista, escolhidas por conveniência. Os dados foram coletados por meio de sessões de observação da rotina escolar no decorrer de um semestre letivo num total de 100 horas, sendo encerradas por saturação. Para avaliar como os alunos julgavam resolver conflitos, foram apresentadas, por meio de entrevistas clínicas, histórias contendo conflitos hipotéticos, elaboradas com base na identificação das principais causas das desavenças entre os alunos. Os resultados das observações indicaram que as principais causas que geraram conflitos nos alunos de 11 e 12 anos foram a provocação e a reação ao comportamento perturbador. As estratégias de resolução mais frequentemente utilizadas foram as unilaterais e o abandono foi a finalização mais comum para as desavenças observadas. Os alunos de 8 e 9 anos apresentaram as mesmas categorias com relação às causas, estratégias e finalizações mais presentes em seus conflitos. Quanto à comparação entre o juízo e a ação, os alunos de 11 e 12 anos apresentaram, assim como os de 8 e 9 anos, estratégias de resolução de conflitos mais evoluídas em termos de coordenação e tomada de perspectiva ao verbalizarem acerca dos conflitos hipotéticos, do que ao agirem nos conflitos reais vivenciados. Apesar dos ganhos em maturidade cognitiva, em compreensão interpessoal e no repertório de comportamentos, expressos especialmente nos relatos frente aos conflitos hipotéticos, os níveis reais de estratégias mais cooperativas não apresentaram uma evolução significativa quando comparados aos alunos de 8 e 9 anos (p=0.041), reiterando, assim, a importância de se disponibilizar mais oportunidades de reorganizações reflexivas que almejem o desenvolvimento de competências sociais. A contribuição do estudo foi, portanto, o detalhamento das evoluções da compreensão e da vivência dos conflitos interpessoais, oferecendo subsídios para o planejamento de intervenções mais afinadas com as necessidades próprias de cada faixa etária

Abstract: Characterized as a qualitative and quantitative study and grounded in Piaget's theory, this study aimed to identify the causes, the strategies employed, the outcomes of conflicts experienced between 11 and 12 year old students, as well as to compare if there are differences in the ways they solve experienced conflicts and how they judge to fix them. This study also has as objective to compare these same variables among students of 8 and 9 years old, participants from a previous analogue study. The set consisted of 62 sixth grade students from two elementary public schools in São Paulo State/Brazil, chosen at convenience. Data were collected during 25 days of observation, accruing for a total of 100 hours, under various situations of school routine. To assess how the students think resolve conflicts using the piagetian clinical method, stories were submitted, containing hypothetical conflicts drawn from situations observed. The results of observations indicated that the main reasons that led to conflicts among 11 and 12 year old students were teasing and reaction to annoying behavior. Resolution strategies more frequently used were unilateral and abandonment was the most common outcome for the observed disagreements. Students of 8 and 9 years old had the same categories for causes, strategies and outcomes in their conflicts. In comparison between judgment and action, 11 and 12 year old students presented, as well as the 8 and 9 year old, more advanced solving strategies of conflicts in terms of coordination and decision perspective to verbalize on hypothetical conflicts than to pursue the experienced real conflicts. Despite the gains in cognitive maturity, interpersonal understanding and behavioral repertoire, especially expressed in the reports from hypothetical conflicts, the actual levels of more cooperative strategies showed no significant change when compared to students of 8 and 9 years old (p=0.041). This reiterates the importance of providing more opportunities to help promote reflective reorganizations that aim to develop social skills. The contribution of the study was, therefore, to detail the development in the understanding and in the experience of interpersonal conflicts, providing support for the planning of interventions more in line with the needs of each age group
Subject: Conflito interpessoal
Construtivismo (Educação)
Educação
Adolescência
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2015
Appears in Collections:FE - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Marques_CarolinadeAragaoEscher_D.pdf2.41 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.