Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/254089
Type: TESE
Degree Level: Doutorado
Title: Consubstancialidade de gênero, classe e raça no trabalho coletivo/associativo
Title Alternative: Consubstantiality of gender, class and race in the collective/associative work
Author: Cherfem, Carolina Orquiza, 1983-
Advisor: Leite, Márcia de Paula, 1948-
Abstract: Resumo: Esta pesquisa se desenvolveu no âmbito das práticas cooperativas e associativistas de grupos sociais que se organizam em busca de geração de renda e são reunidos pela chamada Economia Solidária (ES). Essas práticas sociais, por sua vez, agrupam grande quantidade de mulheres e de negros e negras, o que não vem sendo tratado com a relevância social e política que este fato suscita. Neste contexto, algumas estudiosas que se dedicam à divisão sexual do trabalho buscam compreender os motivos da grande quantidade de mulheres encontradas nessas organizações, bem como identificar o lugar que elas ocupam nas mesmas. Contudo, os estudos em torno das questões raciais na ES não vêm apresentando a mesma amplitude: Qual a cor/raça dos participantes da Economia Solidária? Será que estas práticas sociais podem mudar o contexto de exclusão da população negra? Com o intuito de compreender este cenário, a tese defendida nesta investigação é a de que os projetos associativos e de trabalho coletivo, agrupados pelas políticas de Economia Solidária, apresentam a prioridade de enfrentamento das relações de classe, focados, sobretudo, no desemprego, oportunidades de geração de renda e superação da fome e miséria de parte da população brasileira. Porém, não priorizam as questões de gênero e raça com a mesma relevância, não considerando a coextensividade dessas relações sociais como estruturantes da sociedade, tanto como a classe. O referencial teórico-metodológico que a embasou, portanto, compreende as relações sociais por meio do cruzamento das categorias de dominação que lhes configuram, a saber: a classe, a raça e o gênero, sintetizado pelo conceito de consubstancialidade. A pesquisa foi realizada em três Organizações Sociais Produtivas (OSPs) distintas que apresentam relações com diferentes movimentos sociais e que priorizam a qualificação de seus trabalhadores e trabalhadoras. As iniciativas pesquisadas foram: Empresa Recuperada Catende-Harmonia ¿ Recife/ Pernambuco (inserida num setor predominantemente masculino); Rede de Mulheres Produtoras do Recife e Região Metropolitana (inserida no setor de artesanato, prioritariamente feminino); Cooperativa de Triagem de Resíduos Sólidos "Bom Sucesso" ¿ Campinas/São Paulo (representa um setor misto, com grande presença da população negra). Os resultados identificaram que a ênfase dada à classe social está presente pela própria existência das OSPs que se desenvolvem no enfrentamento com estruturas e grupos de poder que mantém as desigualdades sociais. Contudo, essa luta de classes tem cor e sexo que as deixam cada vez mais complexas, o que nem sempre é considerado nas práticas de ES. Tal comprovação se deu pela identificação da divisão sexual do trabalho no interior das iniciativas pesquisadas e pelas oportunidades diferenciadas para homens e mulheres em algumas experiências. Também se deu pelo silenciamento das questões raciais e pela tendência ao enegrecimento da população no âmbito das iniciativas pesquisadas. Por outro lado, os resultados apontaram avanços significativos como a possibilidade de ampliação das qualificações e aprendizagens proporcionada pelas experiências pesquisadas. Homens e mulheres, negros e negras, de baixa escolaridade e renda, tiveram oportunidades significativas de ampliar suas qualificações técnica, política e de gestão coletiva e, a partir disso, tornarem-se sujeitos políticos ao ocupar novos espaços sociais. Nessa direção, a pesquisa indicou nuances importantes para que as políticas públicas de Economia Solidária sejam compreendidas de modo consubstancial, bem como contribuiu para que outras pesquisas desenvolvidas neste campo de estudo e de ação prática possam ser analisadas a partir da coextensividade das relações sociais de gênero, raça e classe

Abstract: This research was developed within the framework of cooperative and associative practices of social groups self-organized in search of income generation, gathered by the so-called Solidarity Economy (SE). These social practices, in turn, comprise large amount of women and black men and women, which has not been treated with the social and political relevance that this fact raises. In this context, some scholars engaged in the sexual division of work seek to understand the reasons for the large number of women found in these organizations, as well as identify the place that they occupy in the same. However, the studies around the racial issues in SE don't come with the same amplitude: what is the color of participants of Solidarity Economy? Can these social practices change the context of exclusion of black population? In order to understand this scenario, the thesis defended in this investigation is that associative projects and collective work, grouped by public policies of solidarity-based economy, represent the priority of confronting class relationships, focused especially on unemployment, income generating opportunities and overcoming hunger and poverty of part of the Brazilian population. However, it does not prioritize issues of gender and race with the same relevance as class is, not considering the intersection of these social relationships as society structuring. The theoretical and methodological framework adopted, therefore, understands the social relations through the coextensivity of categories of domination that constitute them, namely: class, race and gender, synthesized by the concept of consubstantialité, translated in Brazil as consubstantiality. The results showed that the emphasis on social class is present by the own existence of OSPs developed in the process of coping with structures and power groups that maintains social inequalities. However, this class struggle has color and gender that leave them increasingly complex, which is not always considered in SE practices. This evidence was given by the identification of the sexual division of labor within the surveyed initiatives and differential of opportunities for men and women in some experiments. Also gave the silencing of racial issues and the trend of blackening population in the scope of the surveyed initiatives. On the other hand, the results showed significant progress as the possibility of expanding the skills and learning experiences provided by surveyed. Men and women, black men and women, low education and income, have significant opportunities to expand their technical policy and collective management skills, and, from that, become political subjects to occupy new social spaces. In this way, the research has indicated important nuances in order to make public policy in Solidarity Economy understood in the consubstantiality way, as well as contributed to other researches carried on this field of study, and also provides a possibility that practical action can be analyzed from coextensivity perspective in terms of class, race and gender social relations
Subject: Gênero
Raça
Cooperativas
Qualificação profissional
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2014
Appears in Collections:FE - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Cherfem_CarolinaOrquiza_D.pdf1.71 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.