Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/253558
Type: TESE
Degree Level: Doutorado
Title: A modernidade em Joyce : tradição e ruptura
Author: Medeiros, Silvio
Advisor: Fontes Junior, Joaquim Brasil, 1939-
Junior, Joaquim Brasil Fontes
Abstract: Resumo: A proposta dessa tese de doutoramento é mostrar de que forma a imaginação literária pode nos auxiliar na compreensão da realidade histórica contemporânea, marcada por profundas rupturas e transformações na ordem das coisas, e que emerge fazendo tábua rasa de seus legados culturais. A partir do desenvolvimento de um estudo intertextual em torno de três obras da literatura ocidental; a Odisséia de Homero, a Eneida de VirgíTio e o Ulisses de James Joyce, procuramos estabelecer uma tensão entre as poéticas antiga e moderna para refietirmos sobre a falta de verdades estáveis na modernidade, cuja ênfase é depositar cada vez maior peso no pensamento sobre o futuro considerando-o como dinâmico o superior ao passado, o que torna o vasto quadro das experiências passadas em si mesmo obsoleto, decretando dessa maneira o esquecimento da própria memória. Assim, visando uma reflexão significativa sobre o nosso tempo, construímos um jogo intertextual a demandar um núcleo: a desorientaçâo do homem moderno num mundo onde a tradição cultural tende a diluir-se. O resultado desse estudo permite que venhamos a estabelecer um diálogo complexo entre discursos poéticos e filosóficos, fazendo com que a Literatura e a Filosofia figurem como preocupações-chaves no pensamento contemporâneo, para somar forças contra o lado obscuro da modernidade. Nesse sentido, o Ulisses de Joyce, texto que se inscreve no modelo da poesia épica helênica, conquanto apresente uma sucessão vertiginosa de estilos e movimentos, servirá para exemplificar a insatisfação da palavra poética moderna empenhada em sobrepor-se às limitações da realidade

Abstract: The aim of this doctorate thesis is to show in what way literary imagination may help us to understand contemporary historic reality, which is marked by deep ruptures and transformations in the order of things and which emerges making tabula rasa of its cultural heritage. An intertextual study of three works of occidental literature, Homer's Odyssey, Virgile's Aeneid, and James Joyce's Ulysses seeks to establish a tension between the old and the new poetics in order to reflect about the lack of stable truths in modernism, which emphasis lies in putting an each time major weight on thinking about the future, considering it as being dynamic and superior to the past, which turns the wide range of past experiences obsolete in itself, declaring the disremembering of the proper memory. Thus, aiming toward a significant reflection on our time, we are building an intertextual game pointing to a core: the disorientation of modern man in a world where cultural tradition tends to dilute itself. The result of this study allows us to establish a complex dialogue among poetical and philosophical discourses, turning Literature and Philosophy into key issues of contemporary thinking in order to increase strength against the dark side of modernism. In this sense, Joyce's Ulysses, a text which follows the model of Hellenistic epical poetics, since it presents a vertiginous succession of diferent styles and movements, serves as an example of the dissatisfaction of the modern poetic word in attempting to superpose itself to the limits of reality
Subject: Joyce, James, 1882-1941
Intertextualidade
Memória
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 1999
Appears in Collections:FE - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Medeiros_Silvio_D.pdf12 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.