Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/253378
Type: TESE
Title: A representação da morte na criança da periferia : um estudo de casos
Author: Barreto, Maria Aparecida Santos Correa
Advisor: Pino Sirgado, Angel, 1933-
Abstract: Resumo: Pesquisa como crianças pobres que vivem, sobrevivem e morrem em condições precárias de existência e, de certo modo, até apartadas do convívio da sociedade, representam a morte, entendendo a representação da morte como resultado da convivência cultural e das condições históricas de suas vidas. A fundamentação teórico-metodológica é baseada nos postulados e pressupostos da Perspectiva Histórico-Cultural em Psicologia. A pesquisa empírica foi desenvolvida com 28 alunos, em uma sala de aula de 3' série do Ensino Fundamental, numa escola pública de periferia do município de Campinas, durante o ano letivo de 1999. Apresenta o estudo de três casos. Foram realizadas algumas atividades envolvendo o tema da morte. A atuação da pesquisadora efetivou-se participando com as crianças das atividades, entrevistando-as, observando-as, às vezes, recorrendo também a audiogravações e a videogravações, com registros contínuos. As entrevistas eram semi-estruturadas, realizadas em grupo e/ou individualmente, também com os pais, as professoras e a diretora. Leitura de livros de literatura, conversas, produção de textos e desenhos produzidos pelos alunos fazem parte do material coletado. Por meio dos dados, pôde-se denunciar que os alunos vivem num clima de medo, de terror, de pânico. A representação da morte é constituída por uma complexa relação dor/perdas, violência/vida e morte, separadas por uma tênue e tensa linha divisória, naquele contexto, exigindo reflexões e encaminhamentos específicos. Em meio a essa realidade, a possibilidade da morte espalha-se por todos os contextos sociais que perpassam a vida da criança. Abrindo-se espaço para a reflexão sobre a morte no contexto escolar, é possível conhecer como essas crianças desenvolvem modos de vida próprios, pautados por múltiplas estratégias de convivência e de identificação/diferenciação no coníronto permanente com a naturaEzaçâo da morte (bana1ização da vida), em espaços distintos, uma vez que o processo de en&¿eato é dado pelas condições concretas de vida. Compreender esses conteúdos dos processos elaborados, ou seja, identificar de que falam essas práticas e essas estratégias, são os elementos fundamentais deste estudo

Abstract: I intend to investigate the way poor children, who live, survive and die in inadequate living conditions (and in a way even apart from society), represent death. Representation of death is understood as the result of cultural insertion and the historical conditions of their lives. The theoretical-methodological foundations of this research are the postulates and premises of the historical-cultural perspective in psychology. The empirical research was developed with 28 students of a third year elementary school class in a public school in the outskirsts of Campinas, during the 1999 school year. I present in this study three cases. During the course of this work, I performed activities with the group, having death as the theme, interviewing the children and observing them, sometimes recording in audio and video. The interviews were semi-statured, canied out in groups and/or individually, including parents, teachers and the director of the school. The activities included reading literature books, conversations and production of texts. Continuous records of the observation of the group, as well as texts and drawings made by the students, are part of the collected material It could be detected through the analysis of this data that they live in a state of fear, of terror, of panic. The epresentantion of death is constituted by complex relations of pen/losses, violence/life and death, separated by a thin and tense 1me, in that context, which demand specific reflections and approaches. The possibiTity of death spreads through all the social contexts that permeate the child's life. When reflection on death in the school context is aUowed, we recognize how these children develop ways of life of their own, regulated by various strategies for social contact and identiGcation / diferentiation in the permanent encounter with the naturalization of death (banalization of life}, in distinct spaces, since the process of confrontation is given by the concrete conditions of life. Understanding the contents of the processes thus constructed, that is, identifying what these practices and strategies represent, is the key element
Subject: Morte
Crianças
Banalidade (Filosofia)
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2003
Appears in Collections:FE - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Barreto_MariaAparecidaSantosCorrea_D.pdf9.33 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.