Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/252969
Type: TESE
Title: Enfrentamento do estresse no trabalho na idade adulta
Title Alternative: The confrontation of stress in the work in the adult age
Author: Fontes, Arlete Portella, 1956-
Advisor: Yassuda, Mônica Sanches
Abstract: Resumo: O envelhecimento e o desgaste provocado pelo trabalho demandam a compreensão das relações entre idade, experiência e o enfrentamento dos estressores ocupacionais. Objetivo: investigou-se através de um estudo descritivo o enfrentamento de estressores ocupacionais e sua relação com estresse percebido, idade, cargo e experiência, mediadas por crenças de auto-eficácia e agência, entre 71 líderes, técnicos e engenheiros de empresa elétrica, comparados quanto à idade (27-50 anos) e tempo de serviço (>=5 anos; 2 - 4 anos; <2 anos). Método: Os participantes foram submetidos a questionário sociodemográfico e ocupacional, escala de intensidade do estresse percebido, enfrentamento do estresse ocupacional, auto-eficácia e agência, aplicados nos locais de trabalho por pessoal treinado. Resultados: Foi encontrada alta consistência interna para as escalas de enfrentamento (0,849), crenças de agência (0,754) e agência pessoal (0,744). O grau de estresse percebido foi sete (escala de 0 a 10), identificando-se estressores inerentes à organização, tarefas e gestão de pessoas. A auto-eficácia do enfrentamento foi moderada (engenheiros: M=3,34, ± 0,28; técnicos: M=3,13, ± 0,41). Agência interpessoal correlacionou-se significativamente com idade: os mais jovens acreditam mais no exercício de controle através de recursos do outro, em relação aos mais velhos. Foram observadas correlações positivas entre tempo de serviço e auto-eficácia; manejo com controle e esquiva; auto-eficácia e controle; agência pessoal com controle e auto-eficácia; agência interpessoal com controle, manejo, auto-eficácia e agência pessoal. Na análise de regressão linear, quanto maior uso de controle, maior auto-eficácia, agência pessoal e interpessoal; quanto maior uso de manejo de sintomas, maior agência interpessoal. Conclusões: Os resultados apontam para o valor da experiência e das crenças de eficácia e agência para um envelhecimento competente no trabalho. Os indivíduos que envelhecem no trabalho e as organizações beneficiam-se da melhor compreensão das relações entre idade, experiência, enfrentamento de estressores e crenças pessoais

Abstract: The aging and work stress demand comprehension of relations among age, experience and coping with job stressor. Objective: it was investigated through a descriptive study the coping with job stressor and its relation with perceived stress, age, job position and experience, mediated by beliefs of self-efficacy and agency, among 71 leaders, technicians and engineers of an electricity utility company, compared to age (27-50) and time of work (>=5 years; 2-4 years; <2 years). Method: the participants were submitted to a sociodemographic and job questionaire, scales of perceived stress intensity, coping with job stress, self-efficacy and agency, applied in the work by trained people. Results: it was found high internal consistency for coping scales (0.849), beliefs of agency (0.754) and personal agency (0.744). The degree of perceived stress was 7 (scale 0-10), identifying stressors inherent in organization, tasks and people management. The coping self-efficacy was moderate (engineers: M=3.34, ± 0.28; technicians: M=3.13, ± 0.41). Interpersonal agency was correlated significantly with age: the youngest ones believe more in the exercise of control through the resources of the others, in relation to the oldest. Positive correlations were observed among time of work and self-efficacy; management with control and escape; self-efficacy and control; personal agency with control and self-efficacy; interpersonal agency with control, management, self-efficacy and personal agency. In the analysis of linear regression, the more the use of control, the higher self-efficacy, personal and interpersonal agency; the more the use of symptom management, the higher the interpersonal agency. Conclusions: The results pointed to the value of the experience and of the beliefs of efficacy and agency for a competent aging in the work. The individuals aging in the work and organizations take the benefit of the best comprehension of relations among age, experience, stressor coping and personal beliefs
Subject: Idade adulta
Esgotamento profissional
Autoeficácia
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2006
Appears in Collections:FE - Dissertação e Tese

Files in This Item:
File SizeFormat 
Fontes_ArletePortella_M.pdf634.69 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.