Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/252242
Type: TESE
Title: Instituição da subjetividade moderna : a contribuição de Inacio de Loyola e Martinho Lutero
Author: Toledo, Cezar de Alencar Arnaut de
Advisor: Sigrist, José Luiz, 1934-
Abstract: Resumo: o tema deste trabalho é o nascimento da subjetividade moderna na cultura ocidental, tendo como ponto de partida, não o pensamento de René Descartes, que é comumente considerado como o pai da modernidade na filosofia, mas seus antecedentes imediatos na Teologia, especialmente dois autores cristãos que, do ponto de vista do nascimento da Modernidade, estão intimamente relacionados. São eles: Inácio de Loyola, fundador da Companhia de Jesus, que atuou na defesa da fé católica e que desempenhou importante papel na formação da pedagogia moderna e Martinho Lutero, desencadeador da Reforma Religiosa no seio do cristianismo e que acabou gerando a grande ruptura na Igreja Cristã Ocidental e ainda contribuiu para o surgimento de uma nova economia da religião. Por caminhos e razões diferentes, estão ambos colocados nos umbrais do pensamento moderno devido às operacionalizações de uma nova subjetividade mais autônoma, emergente no século XVI. O trabalho relaciona duas referências conceituais para a subjetividade moderna e que são fundamentais à sua compreensão: 8- A história do conceito de Pessoa no interior do cristianismo ocidental desde o seu surgimento e institucionalização até a Escolástica. - A história e as polêmicas em tomo do livre-arbítrio no mesmo período mas estendendo-o até Erasmo e Lutero. O primeiro reafirmando e o segundo negando a existência de uma vontade totalmente livre no homem. É na afirmação-negação da vontade, da razão e do entendimento que serão estabelecidas as bases sobre as quais R. Descartes operará seu COGITO na fIlosofia. Assim, além de considerar que o brotamento da subjetividade moderna não é um fenômeno exclusivamente religioso, nem acontece isoladamente na sociedade, este trabalho também considera o fato de que R. Descartes "fundou" a filosofIa e o sujeito modernos mas operou sobre fundações já estabelecidas anteriormente. A conclusão é que os dois autores são necessários à "forja" da subjetividade moderna e tudo que a ela se relaciona: ética, ritualística cristã, pedagogia, filosofia política, moral e economia da religião. Se a subjetividade nasce controlada, acabará exigindo independência total com o Iluminismo
Subject: Educação - Filosofia
Teoria do conhecimento
Renascença
Modernismo
Cristianismo
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 1996
Appears in Collections:FE - Dissertação e Tese

Files in This Item:
File SizeFormat 
Toledo_CezardeAlencarArnautde_D.pdf9.34 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.