Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/244500
Type: TESE
Title: Modulação de autofagia na prole de animais submetidos à dieta hiperlipídica na vida intrauterina, lactação e vida adulta
Title Alternative: Autophagy modulation in the offspring from obese dams fed with high fat diet during pregnancy and lactation
Author: Reginato, Andressa, 1990-
Advisor: Milanski, Marciane, 1972-
Ferreira, Marciane Milanski, 1972-
Abstract: Resumo: O excesso na ingestão calórica e a obesidade têm afetado um número crescente de pessoas em diferentes países, sendo que a obesidade durante a gestação e lactação desempenha impacto negativo no fenótipo prole. Na vida adulta, a obesidade e a sobrecarga de lipídeos constituem fatores que resultam no comprometimento da autofagia, um processo de degradação lisossomal essencial para a manutenção da homeostase celular. A autofagia é responsável pela degradação e reciclagem de componentes citoplasmáticos como organelas senescentes, proteínas agregadas ou mal formadas, microrganismos invasores e macromoléculas. Apesar do conhecimento acerca do prejuízo na atividade autofágica no contexto da obesidade, alterações na homeostase deste processo na prole de mães obesas ainda não foram investigadas. Neste estudo, foi avaliada a hipótese de que a obesidade materna induzida por dieta hiperlipídica seria capaz de modular proteínas da via autofágica no hipotálamo e no fígado da prole de camundongos. Embora sem nenhuma alteração na atividade de autofagia no hipotálamo, a prole de mães obesas ao nascimento (d0) apresentou prejuízo nos marcadores de autofagia no fígado representado por aumento no conteúdo proteico de p62 e diminuição no conteúdo proteico de LC3-II. Ao desmame (d18), a prole de mães obesas teve comprometimento no conteúdo proteico dos marcadores de autofagia em ambos os tecidos (fígado e hipotálamo) quando comparados à prole de mães magras. Após o desmame, a prole de mãe controle e a prole de mãe obesa receberam dieta controle até a vida adulta (d82). Nessa condição não houve modulação dos marcadores de autofagia em nenhum dos tecidos avaliados, sendo que somente a reexposição à dieta hiperlipídica (dos 42 dias até 82 dias) foi responsável por alterar o conteúdo proteico dos marcadores de autofagia quando comparados aos animais com dieta hiperlipídica sem reexposição. Assim, parece que dieta hiperlipídica é essencial para a modulação negativa dos marcadores de autofagia na prole de mães obesas. Em conclusão, a prole de mãe obesa apresentou comprometimento precoce de marcadores de autofagia no fígado e no hipotálamo, o que poderia estar associado ao desenvolvimento de distúrbios metabólicos na prole na idade adulta

Abstract: The nutritional excess and obesity have affected a growing number of people in different countries, being that obesity during pregnancy and lactation has negative impact on offspring phenotype. In adulthood, obesity and lipids overload constitute factors that result in impairment of autophagy, a lysosomal degradation process essential for maintaining cellular homeostasis. Thus, autophagy is responsible for degradation and recycling of cytoplasmic components as senescent organelles, aggregated proteins or proteins poorly formed, microorganisms invaders and macromolecules. It is known that obesity and the use of high fat diet have a negative impact on cellular homeostasis. However, modulation of autophagy in the offspring of obese mothers has yet to be investigated. This study tested the hypothesis that maternal obesity induced by high fat diet would be able to modulate proteins of autophagy in the hypothalamus and liver of mice offspring. At birth (d0), the offspring exhibited prejudice in autophagy markers in liver and after weaning (d18) both tissues (liver and hypothalamus) had compromised autophagy markers. The animals receiving control diet after weaning until adulthood (d82) had no impairment of autophagy proteins in both tissues examined. However, when the animals were re-exposed to high-fat diet they had alteration in protein content of autophagy, when compared to animals with high fat diet without re-exposure. Thus, high fat diet seems to be essential for negative modulation of autophagy markers. In conclusion, the offspring of obese mothers presented early impairment of autophagy proteins in the liver and hypothalamus, which may be associated with the development of metabolic disorders in the offspring in adulthood
Subject: Obesidade
Dieta hiperlipídica
Autofagia
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2015
Appears in Collections:FCA - Dissertação e Tese

Files in This Item:
File SizeFormat 
Reginato_Andressa_M.pdf3.54 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.