Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/24283
Type: Artigo de periódico
Title: Composição de esteróis e ácidos graxos de ostras (Crassostrea gigas) cultivadas em Florianópolis - SC, em duas estações do ano
Title Alternative: Fatty acids and sterols composition of oyster cultivated in two seasons of the year in Florianópolis - SC city-Brazil
Author: Parisenti, Jane
Tramonte, Vera Lúcia Cardoso Garcia
Arellano, Daniel Barrera
Abstract: The aim of this study was to determine the concentration of sterols and fatty acids of oysters cultivated in Florianopolis-SC in two seasons of the year. Oysters were dried in oven at 60 °C for 48 hours and ground. Lipids were determined by Soxhlet method and fatty acids were identified by gas chromatography. Oysters collected during the spring showed a higher content of polyunsaturated fatty acids than oysters collected during summer. Even so, both samples showed good quantities of n-3: 550 mg.100 g-1 (summer) and 892 mg.100 g-1 (spring). Oysters collected during the spring showed a higher content of total steroids; however, only 42% (summer) and 45% (spring) of these steroids were cholesterol. Oysters cultivated in Florianopolis present healthy lipids, including n-3 and low concentration of cholesterol. Due to their lipid composition, oysters may be part of a healthy diet, following suitable quantity and preparation.
O objetivo deste trabalho foi determinar os ácidos graxos e esteróis das ostras (Crassostrea gigas) cultivadas em Florianópolis em duas estações do ano. As ostras foram secas em estufa a 60 °C por 48 horas e trituradas. A fração lipídica foi determinada pelo método de Soxhlet e os ácidos graxos identificados por cromatografia gasosa. As ostras apresentaram um teor de lipídios considerado baixo nas duas estações, sendo maior na primavera (2,7 g.100 g-1) que no verão (1,5 g.100 g-1). As ostras coletadas na primavera apresentaram maior proporção de ácidos graxos poli-insaturados que as do verão, sendo que ambas apresentaram boas quantidades de ácidos graxos da série ômega-3, 550 mg.100 g-1 (verão) e 892 mg.100 g-1 (primavera). Quanto aos esteróis totais, as ostras da primavera (27,1 mg.100 g-1) apresentaram maior proporção de que as do verão (8,4 mg.100 g-1), sendo a proporção de colesterol somente 42% no verão e 45% na primavera. As ostras de cultivo da região de Florianópolis, localizada no sul do Brasil, contêm lipídios benéficos à saúde incluindo ácidos graxos da série ômega-3 e baixo teor de colesterol. Pela sua composição lipídica, as ostras em quantidade e forma de preparo adequada, podem fazer parte de uma dieta saudável.
Subject: ostras
ácidos graxos
ômega-3
colesterol
esteróis
oysters
fatty acids
n-3
cholesterol
sterols
Editor: Sociedade Brasileira de Ciência e Tecnologia de Alimentos
Rights: aberto
Identifier DOI: 10.1590/S0101-20612010000500012
Address: http://dx.doi.org/10.1590/S0101-20612010000500012
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-20612010000500012
Date Issue: 1-May-2010
Appears in Collections:Artigos e Materiais de Revistas Científicas - Unicamp

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
S0101-20612010000500012.pdf161.47 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.