Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/1282
Type: Artigo de periódico
Title: Novos conhecimentos sobre a flora bacteriana vaginal
Title Alternative: Vaginal bacterial flora: up to date
Author: LINHARES, Iara Moreno
GIRALDO, Paulo Cesar
BARACAT, Edmund Chada
Abstract: O objetivo desta revisão foi apresentar os novos conhecimentos sobre o ecossistema vaginal, enfatizando os métodos não cultiváveis de identificação microbiana (amplificação de genes), as várias espécies de Lactobacillus que podem compor a flora vaginal e a interação desta com os mecanismos locais de imunidade inata e adquirida, dependentes dos constituintes genéticos. Foram pesquisados no Medline (Pubmed) os artigos relacionados ao tema publicados entre 1997 e 2009, selecionando-se apenas os considerados relevantes. A utilização de técnicas não cultiváveis (técnicas de amplificação de genes) tem possibilitado o melhor conhecimento sobre a composição do ecossistema vaginal. Na maioria das mulheres no menacme predominam na vagina uma ou mais espécies de Lactobacillus: L. crispatus, . L. inners e L gasseri. Entretanto, em outras mulheres aparentemente saudáveis pode haver deficiência ou mesmo ausência de Lactobacillus, que são substituídos por outras bactérias produtoras de ácido lático: espécies de Atopobium, Megasphaera e/ou Leptotrichia. A infecção e/ou a proliferação de bactérias patogênicas na vagina são suprimidas pela produção de ácido lático, por produtos gerados pelas bactérias e pela atividade local das imunidades inata e adquirida. As células epiteliais vaginais produzem diversos componentes com atividade antimicrobiana. Tais células ainda possuem receptores de membrana ("Toll-like receptors") que reconhecem padrões moleculares associados aos patógenos. O reconhecimento leva à produção de citocinas proinflamatórias e à estimulação da imunidade antigenoespecífica. A produção de anticorpos IgG e IgA também pode ser iniciada na endocérvice e na vagina em resposta à infecção. Conclui-se que a composição da flora vaginal e os mecanismos de imunidade representam importantes mecanismos de defesa. Os critérios de "flora normal" e "flora anormal" devem ser revistos; os polimorfismos genéticos podem explicar variações na composições da flora. Ressalta-se a necessidade de que tais conhecimentos sejam incorporados à pratica clínica do ginecologista e obstetra para o aprimoramento do cuidado às pacientes.
The aim of this review is to update knowledge about the vaginal ecosystem, non-cultivation methods for bacterial identification (gene amplification), the Lactobacillus species that comprise normal vaginal flora and influence of host genetics on bacterial interactions with local innate and acquired immune defenses. A Medline (Pubmed) search from 1997-2009 for relevant articles was performed and the most informative articles were selected. Non-culture techniques (gene amplification) allow a comprehensive analysis of the vaginal ecosystem's composition. In the majority of women in the reproductive age there is a predominance of one or more species of Lactobacillus: L. crispatus, L. inners and L gasseri. However, in other apparently healthy women there is a deficiency or complete absence of Lactobacilli. Instead, there is a substitution by other lactic acid-producing bacteria: Atobium, Megasphaera and/or Leptotrichia species. The infectivity and/or proliferation of pathogenic bacteria in the vagina is suppressed by lactic acid production, by products of endogenous bacteria and by activation of local innate and acquired immunity. Vaginal epithelial cells produce several compounds with anti-microbial activity. These cells have Toll-like receptors on their membrane that recognize molecular patterns associated with pathogens. Recognition leads to production of pro-inflammatory cytokines and stimulation of antigen-specific immunity. The production of IgG and IgA antibodies is also triggered in the endocervix and vagina in response to infection. Vaginal flora composition and the immune mechanisms constitute important defenses. Criteria of normal and abnormal flora have to be reviewed and genetic polymorphism can explain variations in flora composition. This new knowledge should be included in the clinical practice of gynecologists and obstetricians to improve patients care.
Subject: Amplificação de genes
Lactobacillus
Gardnerella vaginalis
Candidíase vulvovaginal
Imunidade inata
Polimorfismo genético
Gene amplification
Gardnerella vaginalis
Candidiasis vulvovaginal
Immunity innate
Polymorphism
Genetic
Country: Brasil
Editor: Associação Médica Brasileira
Citation: Revista da Associação Médica Brasileira, v.56, n.3, p.370-374, 2010
Rights: aberto
Identifier DOI: 10.1590/S0104-42302010000300026
Address: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-42302010000300026
http://www.scielo.br/pdf/ramb/v56n3/v56n3a26.pdf
Date Issue: 2010
Appears in Collections:FCM - Artigos e Materiais de Revistas Científicas

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
art_LINHARES_Novos_conhecimentos_sobre_a_flora_bacteriana_vaginal_2010.pdfpublished version387.1 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.