Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/343428
Type: TESE DIGITAL
Degree Level: Doutorado
Title: What is it like to be an enactivist : Como é ser um enativista
Title Alternative: Como é ser um enativista
Author: Nascimento, Laura Machado do, 1987-
Advisor: Ruffino, Marco, 1963-
Abstract: Resumo: Explicar fenômenos mentais tem sido um desafio permanente tanto para filósofos quanto para cientistas. Esta tese oferece razões para considerar o Enativismo, especialmente em suas variantes radicais, como uma abordagem que enquadra fenômenos mentais de maneira frutífera. Para enativistas, não somente o cérebro, como também o corpo inteiro, o ambiente e sua história biológica, tanto no nível filogenético como ontogenético, além de aspectos sociais e culturais, são necessários para a compreensão da cognição. Além de apresentar os principais princípios do Enativismo (capítulos 1 e 2), argumento que as maneiras tradicionais de entender a fenomenalidade enfrentam deficiências que derivam de pressuposições filosóficas errôneas. Mais especificamente, as dificuldades profundas em explicar cientificamente a fenomenalidade surgem de expectativas redutivistas implícitas na pesquisa filosófica e científica sobre a mente (capítulo 3) e de uma concepção distorcida de experiência (capítulo 4). Concluo indicando que uma visão inspirada pelo enativismo é não somente possível como, de fato, uma abordagem promissora para a mente e a cognição

Abstract: Explaining mental phenomena has been a permanent challenge for both scientists and philosophers. This thesis provides reasons to consider Enactivism, specially in its radical variants, as an approach able to fruitfully frame mental phenomena. For enactivists, not only the brain, but the whole body, the environment and the biological history, both in the phylogenetic and the ontogenetic levels, besides social and cultural aspects are necessary for an adequate understanding of cognition. In addition to presenting the main tenets of Enactivism (chapters 1 and 2), I argue that the standard ways according to which phenomenality has been traditionally understood face shortcomings which derive from misleading philosophical assumptions. More specifically, the deep difficulties in scientifically explaining phenomenality stem from implicit reductive expectations in philosophical and scientific research about the mind (chapter 3) and from a distorted conception of experience (chapter 4). As a conclusion, I indicate that an enactivist inspired view for phenomenality is not only possible, but in fact a promising approach for mind and cognition
Subject: Filosofia da mente
Filosofia e ciencia cognitiva
Consciência
Cognição
Naturalismo
Language: Português
Editor: [s.n.]
Citation: NASCIMENTO, Laura Machado do. What is it like to be an enactivist : Como é ser um enativista. 2020. 1 recurso online ( p.) Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Campinas, SP.
Date Issue: 2020
Appears in Collections:IFCH - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Nascimento_LauraMachadoDo_D.pdf1.76 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.