Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/310941
Type: TESE
Title: Potenciais evocados auditivos de tronco encefalico em lactentes termos e prematuros
Title Alternative: Auditory brainstem response in full-term and premature infants
Author: Casali, Raquel Leme, 1984-
Advisor: Santos, Maria Francisca Colella dos, 1963-
Abstract: Resumo: Introdução: O Potencial Evocado Auditivo de Tronco Encefálico (PEATE) é um exame objetivo de extrema importância no diagnóstico precoce de alterações auditivas em neonatos e lactentes, devido à dificuldade de se obter respostas audiológicas subjetivas fidedignas nessa população. Os dados normativos das respostas da população adulta para esse teste já estão bem estabelecidos na literatura. No entanto, os dados obtidos na população pediátrica, em especial referente aos prematuros, precisam ser mais estudados. O uso de critérios de normalidade para adultos na análise do PEATE de crianças pode levar a interpretação equivocada dos resultados devido à influência do processo de maturação do sistema auditivo. Nos últimos anos com o avanço da triagem auditiva neonatal e seguindo a preconização da detecção precoce de alterações auditivas houve um aumento da demanda de crianças muito novas para a conclusão do diagnóstico audiológico. Dessa forma, faz-se necessária a obtenção de dados normativos de neonatos e lactentes termos e prematuros para esse teste, os quais poderão ser utilizados como referência na interpretação dos resultados e, portanto, possibilitarão o aumento da precisão diagnóstica. Objetivos: Analisar o padrão de respostas de recém nascidos termos e prematuros para o PEATE, considerando os fatores gênero e orelha, e analisar a influência da maturação do sistema auditivo nas respostas eletrofisiológicas dessa população. Material e Métodos: Estudo de corte transversal e prospectivo. Foram avaliados 36 lactentes termos e 30 prematuros que permaneceram no alojamento conjunto, passaram no teste Emissões Otoacústicas Transientes, apresentaram curva timpanométrica tipo A e, com exceção da prematuridade, não apresentaram nenhum outro indicador de risco para perda auditiva. As avaliações ocorreram entre a alta hospitalar e o terceiro mês de vida, sendo constituídas por anamnese, medidas de imitância acústica e avaliação eletrofisiológica por meio do PEATE. Resultados: Na comparação das latências absolutas e interpicos das ondas I, III e V quanto às orelhas direita e esquerda foi observada diferença estatisticamente significante para o interpico I-III. Ao considerarmos o gênero masculino e feminino, não houve diferença significante para as latências absolutas e interpicos, tanto para os termos quanto para os prematuros. Na comparação das latências absolutas e interpicos entre prematuros e termos observou-se diferenças estatisticamente significantes para as latências absolutas das ondas I, III e V em 80 dB e da onda V em 60 e 20 dB. Verificou-se correlação inversa entre idade gestacional e latências absolutas. Foi observado que com o aumento da idade gestacional e consequentemente da maturação do sistema auditivo central ao nível do tronco encefálico ocorre uma diminuição contínua das latências absolutas de todas as ondas nos lactentes termos e prematuros. Essa diminuição está relacionada à progressiva mielinização das estruturas do sistema nervoso central. Conclusão: A maturação do sistema auditivo influencia as respostas do PEATE de neonatos e lactentes. Para evitar a interpretação equivocada dos resultados deve-se considerar a idade gestacional na análise do PEATE na população pediátrica

Abstract: Introduction: The Auditory Brainstem Response (ABR) is a very important objective test in early diagnosis of hearing impairment in newborns and infants due to the difficulty of obtaining reliable subjective auditory responses in this population. Normative data of the adult population's responses for this test are well established in the literature. However, the data for pediatric population, in particular concerning premature need to be further studied. The use of normality criteria for adults in the analysis of ABR in children can lead to misinterpretation of the results due to the influence of the auditory system's maturation. Nowadays, with the advance of newborn hearing screening and following the proposal of early detection of hearing impairment, there is an increased demand of very young children to complete the audiological diagnosis. Therefore, it is necessary to obtain normative data for term and premature newborns and infants for this test. These data can be used as a reference when interpreting the results and thus enable to increase the diagnostic accuracy. Objectives: To compare the ABR responses between full-term and premature children, considering gender and ear factors, and to analyze the influence of the auditory system maturation in the electrophysiological responses of this population. Methods: Transversal and prospective cohort study. We evaluated 36 full-term and 30 premature infants, who remained in the nursery, passed the Transient Otoacoustic Emissions test, presented tympanometric curve type A and, besides prematurity, did not have any other risk factors for hearing loss. The evaluations occurred between the discharge from the hospital and the third month of life, and consisted of history, acoustic immittance measures and evaluation of ABR. Results: Comparison of absolute and interpeak latencies of waves I, III and V on the right and left ears showed statistically significant difference in interpeak I-III, for which the values in the right ear were lower than in the left ear. In the comparison of absolute and interpeak latencies in relation to gender, there was no significant difference for the absolute and interpeak latencies for both full-term and premature infants, at all intensities evaluated. In the comparison of absolute and interpeak latencies between full-term and premature infants we observed statistically significant differences for absolute latencies of waves I, III and V at 80 dB and of wave V at 60 and 20 dB; for all intensities we observed longer latencies in premature. Inverse correlation was found between age and absolute latencies. It was observed that with gestational age increase, and hence of central auditory system's maturation at the brain stem, there is a continuous decrease of absolute latencies of all waves in terms and preterm infants. This decrease is related to the progressive myelination of the structures of central nervous system. Conclusions: Maturation of the auditory system influences the responses of the ABR of neonates and infants. To avoid misinterpretation of results, gestational age must be considered in the analysis of ABR in the pediatric population
Subject: Eletrofisiologia
Prematuro
Lactentes
Audição
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2010
Appears in Collections:FCM - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Casali_RaquelLeme_M.pdf1.91 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.