Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/283917
Type: TESE
Title: Fatores preditivos de qualidade de sono de pacientes submetidos a transplante de células-tronco hematopoiéticas
Title Alternative: Predictors of sleep quality in patients undergoing hematopoietic stem cell transplantation
Author: Furlani Cotrim, Renata, 1979-
Advisor: Ceolim, Maria Filomena, 1962-
Abstract: Resumo: Os distúrbios de sono estão presentes nos seguimentos de transplante de células-tronco hematopoiéticas (TCTH) e fazem parte de um conjunto de sintomas que vêm associados ao decréscimo da qualidade de vida. Permanecer em um ambiente hospitalar pode precipitar o surgimento destes distúrbios. Este estudo destinou-se à avaliação da qualidade de sono de pacientes com câncer hematológico submetidos ao TCTH, no intuito de identificar fatores preditivos de qualidade de sono antes da realização do transplante (primeira etapa), durante a hospitalização (segunda etapa) e após a alta hospitalar (terceira etapa). O estudo foi realizado em um hospital público do interior do estado de São Paulo. Participaram 47 portadores de câncer hematológico que atenderam aos critérios do estudo. Os dados foram coletados por meio dos seguintes instrumentos: Questionário de Caracterização - Aspectos Sócio-Econômicos, Demográficos e Clínicos; Índice de Qualidade de Sono de Pittsburgh (PSQI-BR); instrumento de qualidade de vida Short Form-12 (SF-12), Diário de Sono (DS) e escala de fadiga. Dosagens de interleucina-6 e proteína-C reativa foram obtidas durante a hospitalização. Os dados foram submetidos a testes estatísticos não-paramétricos e a análises de regressão logística e linear. O sono de má qualidade predominou nas três etapas do estudo atingindo pior pontuação durante a hospitalização. Verificou-se associação do sono de má qualidade à presença de fadiga na primeira e na segunda etapa do estudo e melhor avaliação do componente físico (PCS) do SF-12 em sujeitos com sono de boa qualidade nas três etapas do estudo. Na primeira etapa, o sono de má qualidade foi predominante em indivíduos do sexo feminino e, na terceira etapa, observou-se uma tendência à associação do sono de má qualidade à idade igual ou superior a 40 anos. Nestas duas etapas, o sono de má qualidade associou-se, ainda, ao diagnóstico de mieloma e ao TCTH autólogo, achado contrário ao verificado em outros estudos. Na hospitalização, a prestação de assistência pela equipe de saúde e a necessidade de usar o banheiro foram as principais causas de interrupção do sono noturno. Verificou-se melhor padrão de sono depois da enxertia de neutrófilos em relação ao período anterior à enxertia, no qual as dosagens de PCR e do número de sinais e sintomas foram mais elevados. Não foi verificada variação significativa na dosagem de interleucina-6. Em T5, momento anterior à enxertia, o número de sinais e sintomas explicou 28% da variação da qualidade de sono. viii Os sujeitos com maior número de cochilos demonstraram maior necessidade de sono noturno e pior avaliação da qualidade de sono durante à hospitalização. Pertencer ao sexo feminino aumentou em quase 20% a chance de sono de má qualidade na primeira etapa do estudo e, na terceira etapa, a cada um ponto (1,0) de aumento no componente físico (PCS) e mental (MCS) de qualidade de vida, a chance de má qualidade de sono diminuiu, respectivamente, em 15% e 18%. Este estudo destaca a importância de adotar medidas que garantam um sono de boa qualidade na fase aguda do transplante, sobretudo durante a hospitalização, no intuito de minimizar o impacto provocado pelo TCTH na vida dos sujeitos.

Abstract: Sleep disturbances are present in hematopoietic stem cell transplantation (HSCT) and are part of a set of symptoms have been associated with decreased quality of life. Staying in a hospital setting may precipitate the onset of these disorders. This study aims to evaluate the quality of sleep in patients with hematological cancer undergoing HSCT, in order to identify predictors of sleep quality prior to transplantation (first stage), during hospitalization (second stage) and after discharge (third stage). The study was conducted in a public hospital in the state of Sao Paulo. Participants 47 patients with hematological cancer who met the study criteria. Data were collected using: Characterization Questionnaire - Socio-Economic, Demographic and Clinical; Index Pittsburgh Sleep Quality (PSQI-BR); quality of life Short Form-12 (SF-12), Sleep Diary (SD) and fatigue scale. Interleukin-6 and C-reactive protein doses were obtained during hospitalization. The data were subjected to non-parametric statistical tests and logistic and linear regression analyzes. The poor sleep predominated in the three stages of the study reaching worst score during hospitalization. An association of poor sleep and presence of fatigue was verified in the first and second stage of the study, and evaluation of the best physical component (PCS) of the SF-12 between subjects with good sleep quality in the three stages of the study. In the first stage, the poor quality of sleep was predominant in females and, in the third stage, there was a tendency for the association of poor sleep and age (greater than 40 years). In these two steps, the poor sleep was associated also to the diagnosis of myeloma and autologous HSCT, a opposed finding to that observed in other studies. During hospitalization, the care provision and the need to use bathroom were the main causes of nocturnal sleep disruption. Better sleeping pattern was verified after engraftment. Before engraftment, CRP dosages and the signs and symptoms number were higher. Variation in the interleukin-6 dose was not significant. At T5, prior to engraftment, the number of signs and symptoms explained 28% of the variation in quality of sleep. The subjects with the highest number of naps showed greater need for nocturnal sleep and worse sleep quality assessment during hospitalization. Being female increased by almost 20% chance of poor sleep in the first stage of the study and, in the third step, each point (1.0) increase in physical component (PCS) and mental (MCS) of quality of life, the chance of poor sleep quality decreased, respectively, 15% and 18%. This study highlights the importance of adopting measures that guarantee a good quality sleep in the acute phase of transplantation, particularly during hospitalization, in order to minimize the impact caused by HSCT in subjects' lives.
Subject: Sono
Cuidados de enfermagem
Transplante de células-tronco hematopoéticas
Hospitalização
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2013
Appears in Collections:FENF - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
FurlaniCotrim_Renata_D.pdf1.57 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.